terça-feira, 28 de outubro de 2014

El susto

El amor de tu alma será alimento para otras
Para las que dividen contigo el susto de vivir
E sólo así, tú tendrás sentido en este mundo.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Os ratos

Nascemos pelados como os ratos, com a bunda de fora
Alguns tornam-se gente
Outros porém, mesmo pudicos e vestidos, continuam ratos.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Agridoce

Havia dias em que ela amanhecia
Docemente azeda, avessada
Carecia de uma língua que sentisse
A sua boca, deliciosamente agridoce.

Teimosos

Fugimos, até mesmo para manter a saúde mental,
De algumas verdades incontestáveis, óbvias, terríveis,
Fato é que ninguém sai vivo desta vida
Portanto, pergunto, por que alguns teimam em desperdiçá-la?

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Salmoura nos olhos

Mesmo que do mesmo feitio
Nem tudo é igual.
Sal mais água é salmoura,
Entre continentes é oceano,
Mas se dos olhos em saudades cai,
É triste lágrima, é desengano.

Assim, teus olhos que perdidos vão
Pelos longes além de ti e tanto
Não escondem que deles são
As águas do salgado Atlântico.

Peitos suspeitos

Peitos suspeitos e falsamente bonitos
Perfeitos clones carnais de silicone
Guardam teu coração artificial e postiço
Eivado do vazio das vaidades plásticas.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Despierta

Despierta y dile adiós a la nada que te guía
La vida es otra cosa, simple, simple
Embutida en un lapso de tiempo tan corto
Que no tenemos tiempo de amar la nada.

(Versão para o espanhol de Félix Coronel)

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Dos atributos e virtudes

Não há sabedoria em ter uma opinião formada e imutável. Dentre as criaturas, somente o homem tem noção de sua existência. Só o homem reconhece virtudes nos outros: boas ou más. O problema é que as coisas e os outros existem sem quaisquer necessidades dos tolos atributos que damos a eles. Portanto, sentir o que se vive, no instante em que se vive, é mais importante do que rotular e criar preconceitos para a vida toda. Nós mudamos, as coisas e as pessoas mudam. A sabedoria reside nessa percepção.

Porta estreita

Estreita a porta de teu coração
Para que morem nele
Somente aqueles que têm carinho e zelo por ti.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Adiós

Decir algo antes del adiós
Es casi premeditar un crimen
Es hacer sufrir sufriendo
Es matar matándose.

Decir algo después del adiós
Es cavar una tumba sobre otra tumba
Es confesar un pecado sin perdón
Es tratar de retener al viento con las manos.




(Versão para o espanhol de Félix Coronel)

--------
Dizer algo antes do adeus
É quase que premeditar um crime
É fazer sofrer sofrendo
É matar matando-se


Dizer algo depois do adeus
É cavar uma cova sobre outra cova
É confessar um pecado sem perdão
É tentar segurar o vento com as mãos.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Bárbara vida, Bárbara

                                                                               In memoriam

A vida foi bárbara contigo, Bárbara.
Uma bala perdida te encontrou
Na saída da aula, perdida e bárbara.
Foi bala da polícia, foi bala doutros bárbaros?
Fato é que não és mais entre nós
E esta Primavera certamente será triste,
Porque no jardim faltará sempre
O botão da flor que começava a florescer.
Bárbaro tempo este nosso, Bárbara,
Em que os violentos encomendam flores,
O sorriso de fortuitas flores, para enfeitar o céu.

Pagando o pato

A vida é um breve ato
Em que o infeliz vivente
Se faz ordinária moeda
E no final paga o pato.

Amor 100%

Na casa das moças perdidas
O índice de confiança
Do amor jurado é sempre 100%
Eterno, até acabar o dinheiro do trouxa.