domingo, 27 de fevereiro de 2011

Os deuses comem pipoca


É, meu amigo, quem pagou
Para nos aplaudir neste circo
Em que nos matamos por nada?

Ergue tua adaga para o firmamento.
Vê: os deuses riem de ti e de todos...
E bocejam e se enfadam, enfastiam-se
Perante nosso sofrimento.

A diversão neste circo é sempre garantida
Porque vivemos para o deleite das deidades!

Os que vão morrer vos saúdam!

Puxa da espada
E aponte para meu coração
Que ele só e sangrando
Pode te dizer da beleza
Deste sacrifício na arena
Em que te arrancarei os olhos
Para glória e riso dos deuses.

Riem os deuses comendo pipoca
Ao verem o picadeiro em que tu morres.

Ri, meu amigo, aproveita teu próprio fim,
Ri, meu amigo, tal espetáculo exige riso.
Ri, ri, ri muito até morrer no riso
Porque na vida
Há uma entrada que também é saída
E há uma saída que é somente isso
Saída.

Ao nascer chegamos chorando,
Ao morrer somos dos deuses o riso.

Do que riem os deuses
Neste espetáculo
De fim tão repetido e sórdido?

2 comentários:

Luciana Ribeiro disse...

Demais, parabéns!!!!

José Fernando Nandé disse...

Obrigado, Luciana.