quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

As pequenas tragédias de cada um

Todo mundo tem algo de trágico na vida
Um mal nascer
Uma desavença familiar
Um amor terrível
Algo querido que se foi
Planos que ficaram à deriva
Enfim
Cicatrizes d'alma.

A felicidade por inteiro
Só é possível para quem não vive
Para quem não sente
Para os que passam por esta vida como uma pedra
Pedra inerte, cômoda e que não sangra
Porque viver é colecionar essas pequenas tragédias
E a sabedoria está em curar bem as feridas abertas
Enquanto a alma à lâmina do infortúnio fica exposta.

Um comentário:

Inês disse...

Nossas pequenas Mortes. E a voltav por cima é o exercício de viver...lá vamos nós, após sacudida a poeira.