segunda-feira, 4 de julho de 2011

Talvez

Tem muita gente infeliz neste mundo
Umas mais e outras apenas melancólicos
E essa infelicidade vem delas mesmas
Encaram a vida como coisa para mil anos

Estão sempre de olho no amanhã
Não admiram o belo alvorecer de hoje
Porque pensam no entardecer do amanhã

A infelicidade vem para elas
Porque se julgam eternas.
Não, meu amigo, não somos deuses
Somos o que somos, ciscos ao vento

Nubífagos, os infelizes andam em temores
Porque querem o que ainda não existe
Esquecem-se que para frente tudo é talvez
De concreto é o sonho que sonhamos agora
Não o sonho que vamos sonhar talvez.

Olha o menino que gira o pião
Porque amanhã, esse giro será talvez
Olha com ternura teus amigos
Porque amanhã, a ternura será talvez
Olha para teu amor ao teu lado
Porque amanhã, ao teu lado, ele será talvez
Olha para dentro de ti nesta hora
Porque amanhã, aí dentro, tu serás talvez.

4 comentários:

ana coeli disse...

Estou emocionada! Poema mais lindo, profundo,"Não somos deuses
Somos o que somos
Ciscos ao vento" Parabéns!!perfeito!
Luz
Ana

José Fernando Nandé disse...

temos a mania de achármos que universo é comandado por nós

ana coeli disse...

É verdade amigo que somos eternos, e o pior e não se enxergar e se achar muito importante. Não é?
Luz

José Fernando Nandé disse...

É de nossa natureza, pensármos ser muito mais do que somos. Temos essa necessidade no mundo moderno.